Marina_Caldas_ILOS

Tecnologia moderna e a resiliência na cadeia de suprimentos


Em um mundo globalizado e com avanços tecnológicos cada vez mais expressivos e rápidos, urge a necessidade de preparação das cadeias de suprimentos, de forma a torná-las capazes de suportarem e de se recuperarem dos impactos de eventos que afetem o seu abastecimento e o seu funcionamento habitual.

Essa necessidade de resiliência na cadeia de suprimentos já havia ficado evidente no Brasil com a Greve dos Caminhoneiros de 2018, durante a qual diversas rodovias foram paralisadas em um protesto contra o frequente aumento nos preços dos combustíveis, fazendo com que várias empresas refletissem sobre a redução da dependência do transporte rodoviário, ainda predominante no País, e considerassem a incorporação de outros modais de transporte em suas cadeias logísticas.

No contexto global recente, uma sucessão de grandes eventos provocou – e tem provocado – uma grande desordem e risco de desabastecimento nas cadeias de suprimentos mundo afora, sobretudo no setor alimentício e de outros insumos básicos. As mudanças climáticas, a pandemia de covid-19 – que, inclusive, resultou no bloqueio de importantes cidades portuárias chinesas -, a Guerra na Ucrânia e as consequentes sanções econômicas impostas à Rússia têm provocado efeitos (abordados em post recente elaborado por Matheus Macedo) que impactam até as cadeias logísticas mais estruturadas.

Tecnologia moderna e resiliência - ILOS Insights - Pexels

Figura 1: Sucessão de grandes eventos nos últimos anos tem impactado fortemente as cadeias de suprimentos pelo mundo. Fonte: Pexels

 

Frente a isso, ferramentas que envolvem transformação digital e o uso de algoritmos de aprendizagem de máquina (machine learning) e de Inteligência Artificial possibilitam a visibilidade de todas as operações da rede e capacitam as empresas a reagirem mais rapidamente diante de adversidades e rupturas, otimizando e adaptando os processos e a logística em tempo real. Segundo analistas consultados pela Reuters, o mercado de serviços focados em tecnologia para cadeias de suprimentos pode valer mais de US$ 20 bilhões por ano nos próximos 5 anos, sendo que, até 2025, cerca de 80% dos novos aplicativos das cadeias de suprimentos usarão Inteligência Artificial e ciência de dados. Assim, tais recursos têm se mostrado importantes aliados na busca por melhores decisões e práticas que envolvem as cadeias de suprimentos, seja para a obtenção de uma operação mais eficiente ou para redução de riscos e danos frente uma disrupção.

Segundo a Forbes, Interos, Fero Labs e KlearNow são algumas das empresas que usam Inteligência Artificial e outras ferramentas para que indústrias e seus clientes possam reagir mais rapidamente a problemas nas cadeias de suprimentos. Dentre as ferramentas utilizadas por essas empresas, destacam-se a plataforma que automatiza processos de desembaraço alfandegário e os algoritmos de aprendizagem de máquina para monitorar negócios e alertar sobre possíveis eventos que apresentem potencial de causar interrupção nas cadeias de suprimentos e para monitorar e se adaptar a como as matérias-primas de diferentes fornecedores afetam a qualidade do produto, permitindo que funcionários da fábrica ajustem os processos de fabricação para manter a qualidade do produto final.

Ainda, segundo a Reuters, as empresas de logística também estão implementando o aprendizado de máquina para aumentar sua competitividade. Um exemplo disso é a Ryder System Inc (RN), operadora de frota de caminhões dos EUA que usa os dados em tempo real de sua frota e de seus clientes e parceiros para criar algoritmos para prever padrões de tráfego, disponibilidade de caminhões e preços. Outro exemplo é a Autotech Ventures, empresa de capital de risco do Vale do Silício, que investiu em ferramentas que agregam dados de sistemas de gerenciamento de transporte no setor de caminhões para antever mudanças de preços.

Recentemente, a FedEx, referência em serviços globais de transporte e logística de carga, anunciou parceria com a FourKites, que fornece soluções de rastreamento e visibilidade em tempo real, a fim de proporcionar aos embarcadores, com o auxílio do aprendizado de máquina e inteligência artificial, informações e recursos para ajudá-los a enfrentar os desafios da cadeia de suprimentos e para aumentar a eficiência e encontrar novas oportunidades de crescimento.

Como muitas adversidades, que, apesar dos males, acabam por promover – ou acelerar – necessárias mudanças, espera-se que, no âmbito da logística, os obstáculos enfrentados nos últimos anos contribuam para o desenvolvimento e a adoção de processos mais seguros, eficientes e sustentáveis nas cadeias de suprimentos.

 

Referências:

– CNT – Anuário CNT do Transporte

– Forbes – Startups aplicam inteligência artificial contra interrupções na cadeia de suprimentos

– FedEx – FedEx and FourKites Announce Alliance to Make Supply Chains Work Smarter

– G1 – Caminhoneiros fazem protestos nas estradas contra aumento de combustíveis

– ILOS – A desglobalização é uma tendência que veio para ficar?

– Reuters – Startups apply artificial intelligence to supply chain disruptions