Posts

Desempenho logístico: Brasil sofre com a falta de infraestrutura

Recentemente, foi anunciada mais uma edição do Índice de Desempenho Logístico (LPI), ranking desenvolvido pelo Banco Mundial e que será apresentado no XXIV Fórum Internacional Supply Chain, que acontecerá de 18 a 20 de setembro, em São Paulo. No ranking geral de 2018, a situação do Brasil não foi muito diferente da de 2016 (55º), com o país ocupando a 56ª posição no ranking geral que reúne 160 países.

Ou seja, em dois anos, andamos de lado em relação ao desempenho logístico, certo? Errado. Esses dois anos foram de crise intensa no país, com forte retração da indústria, o que trouxe alívio para a combalida e engargalada infraestrutura de transportes brasileira. Menos carga sobrecarrega menos a infraestrutura, trazendo uma falsa sensação de melhora para operadores logísticos, freight forwarders e afins, como aconteceu de 2014 (65º) para 2016 (55º). Em 2018, nem isso aconteceu, o que mostra que a infraestrutura está ruim mesmo para uma economia estagnada.

Um dos itens que compõem o LPI é justamente a qualidade da infraestrutura dos países. No caso do Brasil, caímos da 47ª posição no ranking de infraestrutura para a 50ª, com mais da metade dos entrevistados reclamando das tarifas praticadas em todos os modais. É importante ressaltar que as entrevistas foram realizadas entre setembro de 2017 e fevereiro de 2018, ou seja, muito antes da bastante criticada tabela de frete rodoviário lançada pelo governo brasileiro no final de maio e que trouxe aumento de custos de transporte para boa parte das empresas nacionais.

O fato é que as empresas brasileiras não têm opção. Problemas como falta de infraestrutura, má qualidade da infraestrutura existente e burocracia acabam levando mais de 60% das empresas a escolherem o modal rodoviário, enfrentando estradas de má qualidade. Além disso, a malha rodoviária nacional é muito aquém das necessidades de um país com dimensões continentais como o Brasil, com densidade de apenas 0,025 km/km2 de área nacional, cerca de 20 vezes menor do que China e Estados Unidos.

Muito mais do que investir em outros modais de transportes, o Brasil precisa verdadeiramente investir em transportes, ou seja, construir  mais rodovias, mais ferrovias, viabilizar suas hidrovias e integrar esses modais aos seus portos e aeroportos, para garantir uma logística eficiente. Além disso, com uma costa tão extensa como a nossa, é importante garantir a competitividade da cabotagem, que permite custos menores, transporte mais limpo ambientalmente e com mais segurança, mas que acaba prejudicada pela burocracia e pela política nacional.

Referências:

Connecting to Compete – Trade Logistics in the Global Economy – 2018

Brasil sobe em ranking de logística

País aparece na 55ª posição entre 160 países e à frente de outros sul-americanos

Leia mais

Logística do Brasil segundo recente estudo do Banco Mundial

O Banco Mundial divulgou esta semana os resultados da pesquisa bienal LPI – Logistics Performance Index, a qual compara o desempenho logístico de 160 países no Comércio Internacional. O objetivo central desta pesquisa é subsidiar ações governamentais, visando o desenvolvimento da logística como facilitador do comércio entre as nações.

Os resultados do LPI recentes indicam que o Brasil evoluiu da 65ª em 2014 para a 55ª posição em 2016, no ranking dos países pesquisados. Esta evolução pode ser, pelo menos, em parte explicada pela queda da movimentação de cargas de importação no período, devido à forte desvalorização do Real. No entanto, deve-se ter parcimônia na análise desses resultados, pois a avaliação é feita com base na percepção de, principalmente, Freight Forwarders, o que permite afirmar que a mensuração não apresenta um alto nível de precisão intrínseca.

Mais sensato seria, então, comparar a posição relativa do nível de desempenho considerando os quartis do ranking entre as diversas edições da pesquisa. Nesse sentido, observa-se na Figura 1 abaixo que a performance logística do Brasil tem flutuado pouco acima da média da faixa do segundo quartil (entre 40ª e 80ª posições), ao longo de todas as edições do LPI entre 2007 e 2016. Isto caracteriza que a performance do Brasil tem estado acima da média mundial e muito abaixo daqueles países no topo do ranking do LPI. A tendência visual observada na Figura 1 é de piora, mas inconclusiva devido à curta série histórica, com alta dispersão dos dados.

Ranking LPI - blog ILOS

Figura 1 – Ranking LPI de 160 países

Fonte: Banco Mundial

Ao avaliarmos a dimensão do LPI relativa à Infraestrutura Logística, a situação do país aparentemente melhorou de 54ª em 2014 para a 47ª posição em 2016, o que também poderia ser explicado pela redução de movimentação de cargas no período, citada anteriormente. Neste quesito, a exceção de 2010, a Figura 2 indica que o Brasil também apresenta um desempenho consistente dentro da faixa do 2º quartil do ranking (entre 40ª e 80ª posições). Estes resultados demonstram que a Infraestrutura Logística do Brasil está acima da média mundial, no período das pesquisas, mas muito aquém dos países no topo deste ranking. A tendência visual observada é de piora, mas inconclusiva devido à curta série histórica, com alta dispersão dos dados.

Ranking infraestrutura LPI - blog ILOS

Figura 2 – Ranking infraestrutura de 160 países

Fonte: Banco Mundial

É interessante verificar na Figura 3 que, em grande medida, os países mais bem avaliados tendem a se manter no topo do ranking. Por outro lado, a comparar o desempenho dos países do Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul), o Brasil disputa colocação com a Índia, sendo a Rússia consistentemente a última deste ranking.

Figura 3 – Evolutivo do Índice de Desempenho Logístico

Fonte: Banco Mundial

Esta pesquisa fará parte da programação da Vertical “Infraestrutura Logística no Brasil” durante o nosso XXII Fórum Internacional de Supply Chain, que será apresentada por economista sênior do Banco Mundial, e a análise de seus resultados será debatida por especialistas do setor. Este é um momento único para se discutir os desafios e oportunidades relativas à realidade brasileira vis-à-vis ao contexto global.

Referência bibliográfica

http://lpi.worldbank.org/