Fernando Chalreo - ILOS

Mudanças permanentes no hábito de consumidores no pós-crise


Vivemos uma fase da pandemia da Covid-19 em que aos poucos a população retorna a algumas atividades e felizmente a medicina avança na busca de uma solução definitiva. Alguns devem acreditar que após a chegada da vacina, e a erradicação do Sars-CoV 2, tudo voltará a como era antes em todas as esferas, ou no máximo haverá um momento de recuperação pós-crise econômica. Nada mais distante da verdade. Eventos de profundo impacto na sociedade tendem a gerar consequências permanentes no modo de vida das pessoas, ainda que os seus efeitos diretos sejam passageiros.

As adversidades geradas por crises criam uma série de mudanças de hábito de consumidores, e essas mudanças trazem conhecimento de oportunidades e aprendizados que surgem graças às necessidades impostas pelo meio. Já falamos aqui no ILOS Insights de inúmeras tendências impulsionadas pela situação criada pela Covid-19, como o aumento dos testes de entrega por drones, e mudanças no varejo. Passada a turbulência, no entanto, as pessoas não “desaprendem” o que conheceram por necessidade, e adquirem a experiência permanentemente, fazendo uso delas para melhorar o seu dia a dia durante e após as crises.

Um exemplo de mudança nesse sentido diz respeito ao home office. Uma solução que já existia há alguns anos, mas que não era explorada por muitas empresas; precisou ser adotada em caráter emergencial em muitas companhias, que descobriram ferramentas, processos, formas de comunicação e de coordenação de equipes para desempenho das atividades. Passada a fase de adaptação forçada, algumas empresas pretendem adotar o trabalho remoto de forma permanente. Os hábitos que advêm dessa nova rotina de trabalho, como alimentação mais caseira e compras online irão perdurar na realidade pós-Covid. Sobre esse último ponto, uma pesquisa no Reino Unido mostrou que 40% das pessoas pretendem continuar a adquirir por plataformas online os produtos que antes buscavam nas lojas físicas, mesmo após elas estarem totalmente abertas e seguras. Outro estudo, dessa vez da Deloitte, diz que 38% dos consumidores testaram um novo serviço ou atividade de mídia (como serviço de streaming de filmes ou videogames) e mais de dois terços desse público pretendem manter a atividade após a pandemia.

hábito de consumidores - ILOS Insights Figura 1: Home office, compras online…. Mudanças de hábito de consumidores impulsionadas pela pandemia tendem a ter efeito permanente no mercado (imagens: Computerworld e Eastern Insurance)

É necessário que o gestor de supply chain saiba analisar, portanto, as soluções que funcionam durante a pandemia, aquelas que perdurarão por um tempo em função da crise econômica, e as que serão abraçadas como nova forma de vivência, absorvendo frutos do aprendizado pela adversidade. Essas mudanças e transformações serão discutidas com grande profundidade no Fórum Internacional de Supply Chain do ILOS, que ocorrerá nos dias 13, 14 e 15 de outubro, e contará com especialistas de diversas empresas e países.

Referências:

Forbes – Coronavirus is conditioning new entertainment habits that may not change post pandemic

Infomoney – XP anuncia home office até dezembro e estuda trabalho remoto permanente

BBC – How covid-19 will change our shopping habits