A logística no Super Bowl

Enquanto milhões de brasileiros aguardam ansiosos o final de semana para curtir o carnaval, os norte-americanos e os aficionados por esporte estão na contagem regressiva por outro evento que ocorrerá no domingo: a final da liga nacional de futebol americano (NFL), mais conhecida como Super Bowl (Quer entender como é formado o Super Bowl? Veja o vídeo 1).

caminho para o super bowl

Vídeo 1 – Caminho para o Super Bowl

Fonte: NFL

 

Há alguns meses comentei aqui sobre a logística nas olimpíadas, maior evento esportivo do mundo. Desta vez, o desafio é diferente, mas a importância não. Para se ter ideia do que representa o Super Bowl, ano passado a partida foi assistida por cerca de 163 milhões de pessoas mundo afora (111,4 milhões de espectadores apenas nos Estados Unidos, maior audiência da história da televisão norte-americana). No mercado paralelo, o preço médio do ingresso para a final deste ano é de U$ 5.300 (cerca de R$ 21.300), podendo chegar até U$ 17.500 (cerca de R$ 70.350). Alguns dos mais criativos e históricos comerciais da televisão foram exibidos durante o intervalo do jogo, afinal, trata-se da inserção em intervalos comerciais mais cara do mundo: em 2016, um comercial de 30 segundos está avaliado em US$ 4,8 milhões (cerca de R$ 19,3 milhões).

No domingo, o Denver Broncos, time sediado no Colorado, e o Carolina Panthers, natural da Carolina do Norte, se enfrentam na Califórnia pelo 50º título do Super Bowl (Figura 1). Se você se perguntou porque o jogo ocorrerá na Califórnia, distante dos dois Estados, saiba que essa é um dos desafios logísticos inerentes ao evento. O local aonde a partida é realizada muda anualmente e a escolha ocorre com no mínimo 3 anos de antecedência, independendo, portanto, dos times que disputam a final. Isso significa que, além de ter que realizar um planejamento bem diferente a cada ano, uma enorme quantidade de torcedores e apaixonados pelo esporte se desloca para a cidade sede. Além das 70.000 pessoas que lotarão o Levi’s Stadium na decisão, mais de 1 milhão de pessoas são esperadas esta semana na Baía de São Francisco, local que abrigará o centro de mídia e a Super Bowl City, espaço dedicado a shows, lojas, eventos e um parque temático diretamente relacionados ao futebol americano.

Mapa Super Bowl

Figura 1 – Localização dos times finalistas e do Super Bowl

Fonte: Adaptado de Google Maps

 

A condição climática é outro fator que geralmente traz uma complexidade a mais para o Super Bowl. Por sempre acontecer nesta época do ano, período de inverno no hemisfério do Norte, comumente acontecem jogos a baixas temperaturas, o que dificulta, além da própria partida, o transporte dos materiais até o estádio, por exemplo. Um caso emblemático dessa situação foi o Ice Bowl, como ficou popularmente conhecida a final do campeonato de 1967, quando os times jogaram em Wisconsin a uma temperatura -26oC. Neste ano a temperatura não deverá ser um inconveniente, já que a Califórnia está localizada mais perto da linha do Equador. Entretanto, chuvas fortes potencializadas pelo fenômeno El Niño trazem preocupação para a equipe de logística do evento.

Garantir a segurança de um evento tão visado mundo afora, coordenar as 50 organizações diferentes envolvidas no evento, planejar a chegada e saída dos milhares de espectadores. Esses são apenas alguns desafios logísticos do Super Bowl. Entretanto, nada que chame tanto a atenção quanto a operação logística envolvida no show que é realizado durante o intervalo do jogo. Michael Jackson, Madonna, Rolling Stones, U2 e Beyoncé foram alguns dos grandes artistas que já comandaram o show do intervalo e fizeram apresentações memoráveis. Este ano, a banda inglesa Coldplay será a atração principal e o desafio permanece: montar, em até 8 minutos, um palco high-tech, recheado de luzes e efeitos especiais. Para não danificar o gramado, toda a movimentação do material é feita a pé e utilizando-se apenas de voluntários. Após os cerca de 12 minutos de show, tudo deve ser desmontado em 7 minutos para que o jogo possa recomeçar como se nada tivesse acontecido. O vídeo 2 mostra, em tempo acelerado, a impressionante operação envolvida no show do ano passado realizado pela cantora Katy Perry.

 

Vídeo 2 – Vídeo acelerado do show do intervalo do Super Bowl de 2015

Fonte: dorkTech

 

Realizar a logística de um evento que envolve tantas pessoas e expectadores é sempre um enorme desafio e, domingo, acontecerá mais um capítulo dessa história. Dilúvio, invasão de campo e queda de energia foram algumas das situações que já deram muita dor de cabeça para os organizadores do evento e estamparam os jornais no dia seguinte ao Super Bowl. Enquanto Peyton Manning e Cam Newton, líderes do Denver Broncos e do Carolina Panthers, respectivamente, sonham em ser a manchete do dia seguinte, a equipe de logística trabalha para não ser citada. Para um profissional da área, passar despercebido pode ser um dos maiores elogios e indícios de um trabalho perfeito!

 

Se interessou pelo Super Bowl, mas não entende bem o futebol americano? O vídeo 3 apresenta brevemente as principais regras do jogo.

 Guia da NFL para iniciantes_super bowl