Iniciativas sustentáveis em embalagens na operação logística e no e-commerce implementadas pela Google Shopping

O modelo de geração de riqueza baseado na exploração de recursos naturais com objetivo único e exclusivo de gerar lucro para o acionista, que vigorou na sociedade nos últimos séculos, já começou a dar sinais de esgotamento. Os graves problemas ambientais e sociais tão evidentes e noticiados frequentemente são exemplos inequívocos disto. Nesse contexto, as buscas por iniciativas mais sustentáveis podem ser encontradas em diversos segmentos e na logística não poderia ser diferente.

A área de operações e logística é diretamente impactada por aspectos relacionados à sustentabilidade, uma vez que se trata de uma área que consome muito combustível fóssil, para poder fazer movimentação de produtos, e se utiliza bastante de embalagens, para movimentar os produtos de forma unitizada. O potencial de práticas sustentáveis na logística é enorme e muitas ainda trazem retorno financeiro como telhado translúcido em armazéns para reduzir consumo de energia (ex: CD ecoeficiente do Walmart) e redução do tamanho de embalagens para economizar em transporte (leia o post da Maria Fernanda para conhecer alguns exemplos).

Este post tem como objetivo listar algumas iniciativas sustentáveis em embalagens de proteção, que ganham cada vez mais importância com o aumento da demanda do e-commerce e do consumo consciente. Essas iniciativas foram implementadas pela Google Shopping, um novo Market Place Americano em que os consumidores podem comprar direto da plataforma Google sem passar pela loja virtual de quem está ofertando o produto.

O Google Shopping possui um departamento dedicado a pesquisa de embalagens sustentáveis. As principais iniciativas foram apresentadas em visita ao Google durante a Missão Internacional de Logística EUA 2019.

O primeiro tipo de embalagem apresentado foi uma caixa de papelão chamada de Smart Karton (Figura 1) com regulagem de altura e com um papel interno, colado nas laterais da caixa, com a função de fixar o produto no interior da caixa. O papel interno cumpre a mesma função que as almofadas de ar feitas de plástico ao evitar o choque dos produtos dentro da caixa. Esta alternativa é muito mais sustentável, uma vez que o papel possui o tempo de degradação de cerca de 6 meses e o plástico de 100 a 400 anos. Além disso, o processo de embalagem é mais eficiente, pois não há necessidade de encher as almofadas de plástico nem de destaca-las para preencher a caixa. Em um ou dois movimentos, é possível contornar o produto com o papel interno fixando-o rapidamente dentro da caixa. A regulagem de altura na tampa da caixa também permite a melhor fixação do produto, além de ajustar o tamanho da caixa, reduzindo o espaço ocupado no momento do transporte. Dessa forma, é possível ser mais sustentável e ainda economizar no frete. Esta caixa de papelão com a regulagem de altura e o papel interno com as dimensões de 25,4 x 20,3 x 15,2cm custa US$ 15 por 25 unidades no fornecedor americano http://thesustainablesuite.com/.

  

Figuras 1 : Smart Karton

Fonte: Pitney bowes

 

Uma solução muito interessante que também substitui o plástico por papel é o Hexcel Wrap (Figura 2). Esta solução é composta por um papel com pequenos cortes que ao ser puxado do rolo, que está fixo em uma máquina com regulagem de pressão, ganha uma textura amortecedora capaz de substituir o plástico bolha.

 

Figuras 2 : Hexcel Wrap

Fonte: http://hexcelpack.com

 

O vídeo a seguir ilustra a utilização do Hexcel Wrap como plástico bolha

Nem sempre é possível substituir o plástico por papel, pois a função de impermeabilidade do plástico pode ser fundamental para embalar produtos líquidos ou com risco de vazamento, por exemplo. Nesse caso, a solução encontrada pela Google foram os plásticos biodegradáveis, que possuem tempo de decomposição de dois anos. Aqui no Brasil, temos o exemplo do Mercado Livre que incorporou as embalagens biocompostáveis em sua operação logística, investindo US$ 1,2 milhão nesta inciativa (saiba mais sobre o caso do mercado livre aqui)

As opções sustentáveis de embalagem ainda são mais caras que as opções comuns. Essa diferença tende a reduzir à medida que se tornam mais populares. No entanto, é preciso fazer a conta completa incluindo o impacto ambiental e a maior eficiência no processo de embalagem. Considerando o custo total dessas alternativas, certamente as opções sustentáveis saem na frente, tendendo a ser, muito em breve, a opção mais utilizada.

 

Fontes:

http://www.transportabrasil.com.br/2009/08/walmart-inaugura-primeiro-centro-de-distribuicao-ecoeficiente-do-pais/

https://portalnovarejo.com.br/2019/05/google-virou-marketplace-eua-consumidores-comprar-direto-da-plataforma/

https://envolverde.cartacapital.com.br/mercado-livre-incorpora-embalagens-biocompostaveis-em-sua-operacao-logistica/

Visita ao Google realizada na Missão Internacional de Logística EUA 2019