Indicadores do mercado de condomínios logísticos no Brasil

O mercado de condomínios logísticos no Brasil parece iniciar timidamente seu ritmo de retomada de crescimento. A recessão econômica, que provocou um aumento expressivo na quantidade de áreas vagas e derrubou os preços dos aluguéis, agora começa a demonstrar sinais de reversão.

Na prática, para as empresas usuárias de galpões, isto significa que os preços vêm, pouco a pouco, se tornando mais caros, e que as áreas livres já não estão tão abundantes.

O preço médio, que chegou a R$ 23 por m²/mês em 2014 e caiu para R$ 15 por m²/mês em 2017, já subiu novamente para R$ 19 por m²/mês no início de 2019. Por sua vez, a taxa de vacância (que representa o percentual de áreas vagas), que era de 19% no início de 2014 e subiu para 26% em 2017, já caiu novamente para 21% no início de 2019.

Segundo a empresa de pesquisa imobiliária Buildings, o Brasil possui 21 milhões de m² de áreas em condomínios logísticos, sendo dois terços deles classificados como de Classe A.

A maior parte da área construída está localizada na região Sudeste (78%), seguida pela região Sul (12%), Nordeste (7%), Norte (2%) e Centro-Oeste (1%). A vacância média atualmente é bem diferente por região. No Norte, por exemplo, são poucas as opções construídas, mas dentre as que existem, boa parte delas estão vazias e disponíveis, sendo a taxa de vacância dessa região de 45%. A região Sul, por outro lado, apresenta uma taxa de vacância de apenas 12%.

 

Fonte: Análises ILOS com dados da Buildings.

 

O mercado de condomínios logísticos está totalmente relacionado ao crescimento econômico, que aumenta a demanda por produtos e, por sua vez, eleva a procura por espaços de armazenamento.

Os preços dos aluguéis e a disponibilidade de áreas dependerão da economia e também do aumento da oferta de novos espaços, comandada pelos investimentos privados na construção de novas áreas. Estas construções, que diminuíram seu ritmo durante o período de crise econômica e chegaram ao seu patamar mínimo em 2018, demonstraram, no início de 2019, um aumento discreto.

Se o Brasil conseguir deslanchar em sua retomada econômica, provavelmente os preços dos aluguéis em condomínios logísticos subirão, visto que ainda estão bastante defasados em relação ao crescimento do IGP-M.

 

Referencias:

https://buildings.com.br/site/revista_buildings/ed45/B45_BX/index-h5.html?page=1#page=74

https://www2.colliers.com/pt-BR/Pesquisa/MARKETOVERVIEW1T2019LOG

Fonte: Revista Buildings 2º. Trimestre 2019