Categoria que reúne artigos, postagens, conteúdo áudio-visual e tudo o mais que seja notícia na Imprensa que envolva o Instituto ILOS

Governo repassa R$ 134 milhões para obras na Hidrovia Tietê-Paraná

O ministro dos Transportes, César Borges, e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, presidiram nesta última quarta-feira (23/10) em Brasília, a assinatura de cinco termos de compromisso para investimentos em obras na hidrovia Tietê-Paraná. Os acordos possibilitam o repasse de R$ 134 milhões para a realização de projetos e melhorias na hidrovia, como parte do montante de R$ 1,5 bilhão previsto no protocolo de intenções assinado entre os dois governos em 2011.

Leia mais

Adiamento e muita controvérsia estão na rota do trem bala

Há bem mais que montanhas, vales e rios separando as duas principais metrópoles do país, São Paulo e Rio de Janeiro. Os pouco mais de 400 quilômetros e os acidentes geográficos do percurso parecem pequenos quando se olha o tamanho da polêmica na qual a construção do trem bala está envolvida.

Leia mais

Governo e base mantêm divisão sobre MP dos Portos

Porto

A base aliada na Câmara dos Deputados continua a exigir do governo alterações no texto da Medida Provisória (MP) dos Portos, que deve ser votado amanha no plenário.

Uma reunião nesta terça-feira entre líderes da base demonstrou esse sentimento. Nela, parlamentares pediram ao governo que ele negocie e revise termos do texto.

“O governo tem que vir conversar com os líderes dos partidos que lhe dão sustentação”, disse o líder do PSB, Beto Albuquerque (RS).

O deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força Sindical, chegou a ameaçar uma nova greve nos portos se não houver negociação. “O governo não aceita alterar o relatório. Vou discutir ainda hoje com os portuários e uma greve geral poderá ser iniciada já amanhã”, disse.

Paulinho pretende apresentar uma emenda que assegure algo que, segundo ele, o texto não prevê: a garantia de que os trabalhadores avulsos dos portos privados não perderão seus empregos. Já Albuquerque, a pedido do governador de Pernambuco e presidenciável, Eduardo Campos (PSB), quer que os Estados continuem tendo papel central na definição dos investimentos portuários. No texto do governo, esse papel passa a ser concentrado pela União.

O PT quer votar o texto sem alterações. Para o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), essa pressão é comum. “Esse tipo de pressão ocorre, e cada um tem de saber os seus limites. Quando alguém tem a pretensão de levar qualquer negociação aos limites tem de saber que, de repente, pode ganhar ou pode perder. Faz parte da tensão de negociação.”

Chinaglia disse ainda não haver “plano B” e que o governo vai atuar para aprovar a MP nesta semana. Também declarou que foram seis meses de negociação sobre o texto final. A MP precisa ser votada até amanhã na Câmara para poder ser encaminhada depois ao Senado, pois perde a validade em 16 de maio.