Benchmarking: o momento de olhar para fora

Muitos gestores da área de logística não têm a visibilidade do que está acontecendo em termos de boas práticas em custos e nível de serviço no mercado. No geral, o trabalho de gerir as operações rotineiras de recebimento e entrega e suas inerentes complicações já toma todo o tempo e esforço dos profissionais de logística da maioria das companhias. Mas muitas vezes alguma outra empresa já passou por essas mesmas complexidades, e de forma inovadora ofereceu uma solução única que tornou suas operações consideravelmente mais fáceis de se gerenciar, e claramente obteve um impacto substancial em custos.

benchmarking_figura1_ilos

Figura 1 – Armazém altamente automatizado na indústria de cerâmicas (Exemplo de boas práticas em redução de custos)

Fonte: Divulgação

 

Diante desse cenário, nós do ILOS frequentemente recebemos contatos de empresas que desejam entender seu posicionamento tanto dentro da sua indústria, quanto no mercado como um todo. Esse posicionamento usualmente é descrito em termos de custos e nível de serviço ao cliente, uma vez que compõem um clássico trade-off logístico. Uma empresa que tem como ponto estratégico um atendimento premium ao cliente, sempre com o máximo de disponibilidade de todo seu portfólio de produtos e/ou com prazos de entrega mínimos pode esperar que seu indicador de custos logísticos esteja acima do mercado. De forma análoga, uma empresa que tem como prática estratégica a redução máxima de custos de transporte, armazenagem e estoques certamente perceberá que seus indicadores de nível de serviço ao cliente estejam abaixo das práticas de mercado.

Além de entender esse posicionamento diante do trade-off custos e nível de serviço outro ganho de projetos de benchmarking é a descoberta de novas práticas. Usualmente a introdução de tecnologias inovadoras na logística consegue romper a barreira desse trade-off diminuindo custos sem prejudicar o nível de serviço. A incorporação de ganhos fiscais, a calendarização da frota e a redução de níveis gerais de estoque de segurança podem ser outros exemplos de práticas adotadas pelo mercado que trazem retornos substanciais em custos logísticos sem gerar nenhum comprometimento no atendimento ao cliente.

E a sua empresa, sabe seu posicionamento em termos de custos e nível de serviço frente ao mercado? Tem visibilidade das melhores práticas?