A logística no Tour de France

No último sábado teve início a 103ª edição do Tour de France, maior competição mundial de ciclismo e um dos maiores eventos esportivos do mundo. No Brasil, esse ainda é um esporte pouco popular, cujo possível maior destaque tenha inclusive fugido do campo esportivo. Você se lembra das pulseiras LIVESTRONG? Febre em 2004, os braceletes amarelos da Nike foram desenvolvidos pelo ex-ciclista Lance Armstrong em prol do combate ao câncer. A cor da pulseira é uma referência à camisa amarela vestida pelo cliclista líder da classificação geral do Tour de France e, por isso, muito usada por Lance Armstrong, heptacampeão consecutivo da competição até 2012.

Tour de France - Livestrong_2

 

Figura 1 – Pulseira LIVESTRONG

Fonte: http://www.livestrong.org/

Neste mesmo blog já comentei sobre as complexidades logísticas inerentes aos Jogos Olímpicos e ao Super Bowl. Pois saiba que a Volta da França de ciclismo não fica para trás! Para os 198 atletas, o objetivo é percorrer, no menor tempo possível, 3.519 km em 23 dias, um feito quase heroico! Para a equipe de operações, o desafio começa na montagem de uma grande estrutura móvel e a céu aberto.

Como o próprio nome já indica, o Tour de France tem seu percurso majoritariamente em solo francês. Entretanto, também haverá este ano etapas da competição na Espanha, em Andorra e nos alpes da Suíça, confirme o vídeo a seguir.

Vídeo 1 – Percurso em 3D do Tour de France 2016

Fonte: Le Tour De France

 

As 21 etapas ocorrem diariamente ao longo de três semanas (com exceção de dois dias durante o evento em que não há competição) e começam em uma cidade e terminam em outra. Isso significa para a organização montagens e desmontagens diárias da estrutura e o transporte de equipamentos frágeis e de altíssimo valor agregado. Chegando a custar mais de 10.000 dólares, as bicicletas precisam ser transportadas do ponto final de uma etapa para o ponto inicial da próxima a cada dia.

Some a esse caráter itinerante o fato de se tratar de um esporte realizado fora de arenas e estádios. Chuva, vento, frio e calor são algumas das questões climáticas que afetam todo o evento e dificultam o trabalho dos atletas, comissões técnicas e equipe de organização. Para tornar ainda mais difícil, há de se lidar com todos os imprevistos relacionados ao público de mais de 10 milhões de pessoas, que anualmente enche as cidades para assistir à passagem dos ciclistas e das caravanas publicitárias. Cerca de 170 carros e caminhões, representando 35 marcas diferentes, desfilam 1 hora antes de cada etapa pelas ruas distribuindo um total de 14 milhões de brindes para o público.

Para as equipes de mídia, trata-se de uma das mais difíceis coberturas esportivas do mundo. A competição é transmitida para 190 países e 60 canais de televisão diferentes cobrem em tempo real o evento. Para estes, o desafio de diariamente montar sua cabine de transmissão perto da linha de chegada da etapa e desmontá-la a tempo de levar para a linha de chegada da etapa do dia seguinte. Além disso, para conseguir acompanhar tudo o que acontece na corrida são necessários muitos equipamentos. Se na largada todos os cliclistas começam juntos, ao longo dos quilômetros pelotões diferentes de atletas vão se formando, demandando cobertura em vários pontos diferentes do trajeto. Além das 16 câmeras acopladas a bicicletas de atletas, 5 motos equipadas com câmeras de vídeo e 2 com microfones são as principais responsáveis pela captura das imagens e do som. Todo esse material é transmitido para 3 helicópteros que sobrevoam os locais de competição e que, por sua vez, retransmitem para 2 aviões que estão ainda acima no céu. Por fim, as aeronaves enviam tudo para as cabines localizadas na linha de chegada da etapa. Um verdadeiro show de transmissão!

E será que todo esse esforço vale a pena? Experimente perguntar para o ciclista que ocupará o topo do pódio em Paris no dia 24 de julho ou para o espectador que estará assistindo os ciclistas cruzarem a linha de chegada final na avenida Champs-Élysées.

Vídeo 2 – Último km do Tour de France de 2015

Fonte: Le Tour De France

 

Referências

<http://www.forbes.com/sites/kevinmurnane/2016/07/02/the-incredible-logistics-and-technology-circus-that-is-the-tour-de-france/#316d07892bb8>

<http://www.redbull.com/br/pt/bike/stories/1331803065902/o-que-carnaval-tem-a-ver-com-tour-de-france>

<http://espn.uol.com.br/noticia/610082_equipes-favoritos-camisas-e-curiosidades-saiba-tudo-sobre-o-tour-de-france-2016>

<http://road.cc/content/feature/156398-bikes-2015-tour-de-france>