Terceirização em debate

A revista setorial do jornal Valor Econômico de Agosto 2016 trata sobre a Terceirização, tema polêmico que vem sendo debatido frequentemente em âmbito legal e regulatório, e que envolve uma infinidade de atividades, como limpeza, telemarketing, segurança, TI, contabilidade e logística. As decisões políticas sobre esse assunto poderão afetar diretamente o negócio das empresas, tanto daquelas que contratam serviços terceirizados, quanto daquelas que oferecem tais serviços.

Uma das matérias da revista trata especificamente da terceirização logística, segmento que conta com forte presença de prestadores de serviço, especialmente nas atividades de transporte, onde o nível de terceirização é de cerca de 90% segundo pesquisa do Instituto ILOS.

Os motivos que levam à terceirização logística são muitos, mas, em resumo, pode-se perceber que as indústrias buscam trabalhar com provedores de serviços logísticos por considerarem que estes são capazes de reduzir custos, executando melhor do que a própria empresa contratante as atividades logísticas específicas. Além disso, a empresa ganha flexibilidade para ampliar ou reduzir suas operações, pois os custos logísticos se tornam variáveis, fator essencial em períodos de instabilidade econômica.

Figura - Terceirização LogísticaFigura 1 – Principais motivos para terceirização logística

Fonte: ILOS

 

Como os operadores logísticos trabalham para vários clientes diferentes, as variações de demanda podem ser amenizadas no caso de um setor estar em baixa, mas outro em alta. Além disso, os provedores de serviço podem trazer maior escala às operações logísticas, reduzindo ociosidades, como por exemplo, transportando caminhões completos com cargas de diferentes clientes e compartilhando espaço, equipamentos e tecnologia de armazenagem para movimentação de produtos de várias empresas contratantes.

Os debates relativos à legislação sobre terceirização, entretanto, questionam sobre os direitos trabalhistas dos terceirizados. A motivação certamente é válida, entretanto, é necessário se tomar muito cuidado para não se penalizar a eficiência das operações.