Planejamento de Rede e os custos tributários no Brasil

O planejamento de redes logísticas está sempre na pauta de discussão dos executivos de logística no Brasil. Sua importância decorre principalmente dos profundos impactos que as decisões de localização de instalações têm sobre os custos e níveis de serviço das empresas.

 

Figura 1. Exemplo de rede logística
Fonte: ILOS

A complexidade da decisão sobre a malha logística se justifica porque nem sempre a localização de instalações que gera a maior economia em custos é a mesma que satisfaz o nível de serviço que o cliente requer, colocando os objetivos de minimização dos custos e maximização das vendas sob intenso debate.

Essa discussão é ainda mais forte em momentos de grande variação de demanda, como crises ou picos de desenvolvimento, desafiando os executivos a reverem a estrutura e as práticas logísticas da empresa, colocando em cheque a quantidade, o tamanho e a localização de suas instalações.

A definição da malha logística envolve o posicionamento das plantas de fabricação, centros de distribuição e pontos avançados de modo a minimizar os custos totais para um período de operação. Os custos que devem ser considerados envolvem os custos de transporte, armazenagem, produção, compra, e custos tributários.

No caso do Brasil, o planejamento tributário tem grande importância na determinação da rede logística. A política tributária do País não tem um regimento único, com os Estados e Municípios definindo diferentes cotas para impostos como ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e podendo oferecer incentivos fiscais variados para atrair empresas.

Esses fatores costumam ter impacto significativo nos custos totais das companhias, influenciando fortemente nas decisões sobre posicionamento de instalações e nas rotas a serem realizadas. Os impactos podem ser tais que, muitas vezes, as empresas são incentivadas a praticar “passeios logísticos”, levando as cargas para longe de seus mercados consumidores, aumentando seus custos logísticos, somente para captura de benefícios fiscais.

A questão tributária/fiscal é tão importante que, atualmente, 80% das empresas nacionais definem sua malha logística considerando tais aspectos. Em setores econômicos que exigem redes logísticas mais complexas, esse percentual é ainda maior, chegando a 100% no caso das empresas de Higiene, Limpeza e Cosmético.

Assim, embora grande parte das empresas no Brasil já analise a questão tributária/fiscal no momento de localizar suas instalações, ainda existe uma parcela considerável que desperdiça a oportunidade de obter benefícios no momento de definir a sua malha logística. E a sua empresa, ela se preocupa com a questão tributária/fiscal quando estuda a possibilidade de implantar um novo centro de distribuição?