Henrique Alvarenga - ILOS

Consolidações globais no setor de Insumos Agrícolas

Nas últimas semanas o mundo empresarial recebeu a notícia a respeito da iminente aquisição envolvendo duas gigantes do setor agrícola: A Bayer (empresa alemã que atua neste setor com a venda de defensivos agrícolas) comprou ao valor de US$ 128 por ação, ou US$ 66 bilhões no total, a Monsanto (empresa americana líder absoluta em venda de sementes no Brasil e uma das principais do setor no mundo). Apesar da negociação ainda estar passando pela deliberação de agências antitruste, o que se observa é uma grande tendência de consolidação no setor. Agrium e Potash, empresas canadenses de fertilizantes, anunciaram a fusão de suas companhias, que criaria uma gigante no setor avaliada em US$ 27 bilhões. Outra fusão bastante comentada, entre a Dow Chemical e a DuPont, criaria a maior empresa de biotecnologia e sementes nos Estados Unidos, controlando 76% do mercado de milho e 66% de soja no país. Já a ChemChina está em processo de aquisição da suíça Syngenta, uma negociação de US$ 43 bilhões que marcaria a maior aquisição de uma empresa estrangeira por uma empresa chinesa.bayer-monsanto - blog ILOS

Figura 1 – Gigantes do setor agrícola estão próximas da fusão

Fonte:Montagem ILOS sobre imagens da Wikipedia

Pelo lado dos agricultores, existe bastante receio a respeito das consequências que estas fusões trarão para o mercado. É possível, por exemplo, que os insumos agrícolas aumentem de preço devido à baixa concorrência, o que elevaria os custos dos produtores. Já na visão das empresas, existe a expectativa de captura das sinergias criadas pelas negociações, muitas delas relacionadas às áreas de operações e supply chain.

Uma empresa resultante de uma fusão ou de uma aquisição aumenta, de modo geral, seu poder de barganha frente a seus fornecedores. Isto permite que ela negocie preços mais baixos para a compra de seus insumos. Além disso, é possível economizar também obtendo descontos em lotes maiores de compras. Além das sinergias na área de suprimentos, áreas de logística podem também gerar redução de custos, ora pela difusão de melhores práticas que melhorem as eficiências de suas atividades, ora pela consolidação ou extinção de áreas redundantes. Outra fonte que pode gerar sinergia é a transferência de tecnologia entre as empresas negociadas, sem a necessidade de novos investimentos.

No caso da Bayer e da Monsanto, além da captura destas sinergias operacionais, o que se espera é o aumento no volume das receitas geradas, visto que os produtos que as empresas oferecem no setor de agronegócio são complementares. O know-how da empresa americana no cultivo e criação de sementes transgênicas aliado à expertise alemã sobre defensivos agrícolas permite que a empresa ofereça uma solução completa no setor. No entanto, a possibilidade de venda por cross-selling e o poder da empresa no mercado são preocupações dos órgãos antitruste, que adiam, pelo menos por enquanto, a consolidação do negócio e a captura de tais benefícios.

Enquanto esta onda de consolidações permanece firme, o mercado ficará atento às decisões das agências reguladoras e às consequências para os demais stakeholders. Visto que, de acordo com previsões FAO, agência das Nações Unidas para alimentação e agricultura, o planeta terá 9 bilhões de pessoas até 2050, o grande desafio do setor nos próximos anos será prover alimentos para toda a população. Para o Brasil, que deverá ser responsável por 40% do aumento na produção global, restará o enorme desafio de negociação e controle destes novos players, poderosos e essenciais para nossa economia.

Referências:

<http://press.bayer.com/baynews/baynews.nsf/id/ADSF8F-Bayer-and-Monsanto-to-Create-a-Global-Leader-in-Agriculture>

<http://news.monsanto.com/Bayer-Monsanto-acquisition>

<http://www.valor.com.br/agro/4710497/bayer-e-nova-lider-em-insumos>

<http://www.valor.com.br/agro/4707297/fusao-entre-agrium-e-potash-criara-gigante-de-us-27-bi>

<http://www.valor.com.br/agro/4710341/bayer-sera-lider-em-insumos-no-brasil>

<http://nfu.org/wp-content/uploads/2016/09/Consolidation-Fact-Sheet-FINAL.pdf>

<http://www.tendencias.com.br/news_files/28_Daniel_Goldberg.pdf>